PARA REFLEXÃO

"Há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida"

"Não existe jardim completo e perfeito. E sim, a vontade de tornarmos melhores jardineiros" Raul Cânovas

"A nossa maior glória não reside no fato de nunca cairmos, mas sim em levantarmo-nos sempre depois de cada queda." Confúcio

"Aprendi através da experiência amarga a suprema lição: controlar minha ira e torná-la como o calor que é convertido em energia. Nossa ira controlada pode ser convertida numa força capaz de mover o mundo." Mahatma Gandhi

Visitantes, minhas saudações.

Visitantes,  minhas saudações.
O bordado é algo que está no meu sangue. O amor pelo bordado nos leva a buscar cada vez mais notícias, fotos, matérias, reportagens sobre o assunto e postar no Blog, compartilhando com todos que nos visitam. Recebo reportagens, fotos, notícias de amigas de toda parte do mundo. Muitas vem sem identificação dos sites retirados e quando publico sempre informo que não são de minha autoria. Uma das coisas que mais respeito são os direitos autorais das pessoas. Por isso solicito a quem me visitar, se encontrar alguma matéria ou foto que não aceite, que esteje publicada no meu Blog, por favor me avise para que seja retirada com urgência. Obrigada.

domingo, 3 de julho de 2011

NO BRASIL TEM RENDEIRAS!


Antes do Bordado, Buriti era a Cidade das Rendas


Buriti dos Lopes ficou conhecida como a cidade do bordado, porém é necessário salientar que antes do bordado aqui já se praticava o artesanato com “rendas”, e para que possamos entender isso é preciso retornar no tempo e fazermos uma viagem ao século XIX, quando as primeiras rendeiras que se tem conhecimento começaram a produzir peças em renda, naquela época era uma atividade muito valorizada pois com a renda se produzia as vestimentas para cerimônias religiosas como túnicas e alfaias, além de adornos para casas e ornamentos para os vestidos das senhoras abastadas da cidade. Luzia Fontenele de Carvalho (1888 – 1967); Ana Rosa Lina Escórcio (1895 – 1988) e Francisca Val de Carvalho (1900 – 1982) foram as primeiras rendeiras que se ouviu falar, donas de apurada técnica foram destaque de nosso município na produção artesanal da renda de bilro.
É importante ressaltar que, Dona Bernarda Carvalho dos Santos, aos 89 anos de idade, é uma das últimas rendeiras viva, ela aprendeu a fazer renda aos 15 anos, colaborando com nossa pesquisa mostrou total lucidez ao nos informar que ainda guarda consigo seus bilros e sua almofada pois são lembranças de uma época já extinta em que as moças procuravam aprender o ofício, segundo a mesma, assim como ela, eram inúmeras as mulheres que trabalhavam com a renda, nos informou que no local em que ela mora, rua Bernardo Correia Lima, antigamente todos chamavam de “rua das almofadas”, pois era comum muitas rendeiras ficar nos fins de tarde nas portas de suas casas produzindo suas peças, que eram feitas por encomendas e vendidas para Dona Lili e Dona Nunci Escórcio.
Presume-se que foram nossos fundadores portugueses que deixaram essa herança para a nossa comunidade, porém uma característica em especial diferenciava o costume de nossas artesãs das demais, elas usavam bilros feitos de varetas de mameleiro com um tucum na extremidade, e ainda, usavam espinhos de tucunzeiro, e ou, de mandacaru substituindo os alfinetes. A renda representava naquela época aquilo que representa hoje o bordado, ou seja, uma alternativa de melhorar o rendimento de inúmeras famílias.

Pesquisa: Prof. Gildazio e Nenêm Calixto
http://www.portalburitiense.com.br/2011/01/10/antes-do-bordado-buriti-era-a-cidade-das-rendas/#comment-1366
Filed Under: Cultura, Manchete





Renda de bilros


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Renda_de_bilros

A renda de bilros é realizada sobre uma almofada dura, o rebolo, cilindro de pano grosso, cheio com palha ou algodão, cujas dimensões dependem da dimensão da peça a realizar, coberto exteriormente por um saco de tecido mais fino.
A almofada fica sobre um suporte de madeira, ajustável, de forma a ficar à altura do trabalho da rendilheira.
No rebolo, é colocado um cartão perfurado, o pique, onde se encontra o desenho da renda, feito com pequenos furos.
Nos furos da zona do desenho que está a ser realizada, a rendilheira espeta alfinetes, que desloca à medida que o trabalho progride.
Os fios são manejados por meio de pequenas peças de madeira torneada (ou de outros materiais, como o osso), os bilros.
Uma das extremidades do bilro tem a forma de pêra ou de esfera, conforme a região. O fio está enrolado na outra extremidade.
Os bilros são manejados aos pares pela rendilheira que imprime um movimento rotativo e alternado a cada um, orientando-se pelos alfinetes.
O número de bilros utilizado varia conforme a complexidade do desenho.
Em Portugal a arte da renda de bilros tem especial expressão nas zonas piscatórias do litoral, com maior relevo para Peniche e Vila do Conde, onde esta arte é antiquíssima

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prazer tê-lo como visitante.
Seja bem vindo, deixe seu comentário, envie perguntas e tire suas dúvidas. Abraços.
Algecira Castro

Meus Trabalhos